DATAGRO Grãos reduz projeção da safra 2023 e 2024 de soja do Brasil para 146,3 mi de toneladas

DATAGRO Grãos reduz projeção da safra 2023 e 2024 de soja do Brasil para 146,3 mi de toneladas

A empresa DATAGRO Grãos, em seu sétimo relatório sobre a safra 2023/24 de soja no Brasil, confirma o aumento contínuo da área plantada com a cultura pelo 17º ano consecutivo, apesar da estimativa ter sido reduzida para 45,530 milhões de hectares em comparação com a projeção anterior de 45,565 milhões de hectares. Isso representa um aumento de 1,9% em relação à temporada 2022/23, quando foram cultivados 44,684 milhões de hectares. A intenção de plantio divulgada em julho do ano passado era de 45,724 milhões de hectares, uma diferença de apenas 194 mil hectares em relação aos números atuais.

Devido às condições climáticas irregulares, a consultoria reduziu mais uma vez a expectativa de produtividade média, de 3.236 kg/ha em fevereiro para 3.214 kg/ha, o que representa uma redução de 10,5% em relação ao recorde de 3.589 kg/ha alcançado na temporada 2022/23. “E há chances de novas revisões, dependendo ainda das chuvas nos próximos dois meses”, comenta Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da DATAGRO Grãos.

Como resultado, a expectativa de produção foi revisada de 147,310 milhões de toneladas para 146,336 milhões de toneladas. Se confirmada, essa produção ficaria 8,7% abaixo da safra recorde de 2022/23, que foi de 160,234 milhões de toneladas, mas ainda seria a segunda maior da história.

As estimativas também indicam uma redução na área plantada com milho de verão e uma tendência de forte queda na área de milho de inverno para a temporada 2023/24 no Brasil. A projeção para a área de milho de verão foi elevada para 4,032 milhões de hectares, sendo 2,652 milhões de hectares no Centro-Sul e 1,380 milhão de hectares no Norte/Nordeste. Isso representa uma redução de 220 mil hectares em relação à intenção de plantio, o que representa uma queda de 10,5% em relação à temporada anterior.

“Apesar da redução nos custos de produção, essa diminuição ocorre devido à forte queda nos preços do milho no ano passado, proporcionalmente maior do que no caso da soja, e à perspectiva de renda apertada/negativa em 2024”, comenta França Junior.

Considerando um bom nível de tecnologia e um padrão climático parcialmente irregular, a primeira safra de milho tem um potencial de produção de 24,040 milhões de toneladas, sendo 18,240 milhões de toneladas no Centro-Sul e 5,800 milhões de toneladas no Norte/Nordeste. Isso representa uma queda de 13,7% em relação à safra prejudicada de 2023, que foi de 27,864 milhões de toneladas.

Para a safra de milho de inverno de 2024, a tendência de redução na área plantada praticamente se manteve desde fevereiro. “Combinando a perspectiva de margens de lucro fracas com os problemas no plantio da soja”, destaca o líder de conteúdo da DATAGRO Grãos.

No total do Brasil, a projeção é de uma área de 16,927 milhões de hectares, o que representa uma queda de 9,1% em relação aos 18,620 milhões de hectares de 2023. Seriam 14,067 milhões de hectares no Centro-Sul e 2,860 milhões de hectares no Norte/Nordeste.

Considerando um clima limitado ainda pela influência do El Niño, o potencial de produção da segunda safra de milho foi levemente ajustado de 91,330 milhões de toneladas para 90,877 milhões de toneladas, o que representa uma queda de 16,3% em relação às 108,595 milhões de toneladas da safra recorde de 2023, sendo 81,925 milhões de toneladas no Centro-Sul e 8,952 milhões de toneladas no Norte/Nordeste.

No total das duas safras, a previsão para o Brasil na temporada 2023A DATAGRO Grãos divulgou seu sétimo levantamento sobre a safra de soja do Brasil para o período 2023/24, confirmando o aumento contínuo da área cultivada com a oleaginosa pelo 17º ano consecutivo. Embora a estimativa tenha sido reduzida para 45,530 milhões de hectares em comparação com a projeção anterior de 45,565 milhões de hectares, ainda representa um aumento de 1,9% em relação à temporada anterior, quando foram cultivados 44,684 milhões de hectares. A intenção de plantio inicial era de 45,724 milhões de hectares, o que significa uma diferença de apenas 194 mil hectares em relação ao número atual.

Devido às condições climáticas irregulares, a expectativa de produtividade média também foi reduzida de 3.236 kg/ha em fevereiro para 3.214 kg/ha, uma diminuição de 10,5% em relação ao recorde de 3.589 kg/ha alcançado na safra anterior. Flávio Roberto de França Junior, economista e líder de conteúdo da DATAGRO Grãos, comenta que ainda há chances de novas revisões, dependendo das chuvas nos próximos meses.

Com essa redução na produtividade, a expectativa de produção de soja diminuiu de 147,310 milhões de toneladas para 146,336 milhões de toneladas. Se confirmada, essa produção será 8,7% menor do que a safra recorde de 2022/23, que foi de 160,234 milhões de toneladas, mas ainda será a segunda maior da história.

Além disso, o levantamento da DATAGRO Grãos indica uma redução na área cultivada com milho de verão e uma tendência de forte queda na área de milho de inverno para a safra 2023/24 no Brasil. A projeção para a área de milho de verão foi aumentada para 4,032 milhões de hectares, sendo 2,652 milhões de hectares no Centro-Sul e 1,380 milhão de hectares no Norte/Nordeste. Isso representa uma redução de 220 mil hectares em relação à intenção de plantio, o que equivale a uma queda de 10,5% em comparação com a temporada anterior.

França Junior explica que essa redução na área de milho se deve à forte queda nos preços do cereal no ano passado, proporcionalmente maior do que a queda nos preços da soja, e à perspectiva de renda apertada/negativa em 2024.

Considerando um nível tecnológico adequado e um padrão climático parcialmente irregular, a primeira safra de milho tem um potencial de produção de 24,040 milhões de toneladas, com 18,240 milhões de toneladas provenientes do Centro-Sul e 5,800 milhões de toneladas provenientes do Norte/Nordeste. Essa produção seria 13,7% menor do que a safra prejudicada de 2023, que foi de 27,864 milhões de toneladas.

Para a safra de milho de inverno de 2024, a tendência de redução na área cultivada se manteve desde fevereiro. Isso se deve às perspectivas de margens de lucro fracas e aos problemas no plantio da soja.

Em todo o Brasil, a projeção é de uma área total de 16,927 milhões de hectares, o que representa uma queda de 9,1% em relação à safra de 2023. Desse total, 14,067 milhões de hectares estão localizados no Centro-Sul e 2,860 milhões de hectares no Norte/Nordeste.

Considerando um clima limitado devido à influência do El Niño, o potencial de produção da segunda safra de milho foi levemente ajustado para 90,877 milhões de toneladas, o que representa uma queda de 16,3% em relação à safra recorde de 2023, que foi de 108,595 milhões de toneladas. Desse total, 81,925 milhões de toneladas são esperadas no Centro-Sul e 8,952 milhões de toneladas no Norte/Nordeste. No geral, a previsão para o Brasil na temporada 2023/24 é uma área de 20,959 milhões de hectares

-

Redação: radiocuiabanafm.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *