Sindicatos agrícolas solicitam fim de bloqueios após anúncio de medidas na França

Protestos atingiram o auge em Bruxelas, onde agricultores atiraram ovos e pedras no Parlamento Europeu, provocaram incêndios e soltaram fogos de artifício.

Dois dos principais sindicatos agrícolas de França pediram na quinta-feira (1º) que os manifestantes que realizaram centenas de bloqueios de tratores em todo o país voltassem para casa, depois de o governo ter anunciado medidas para tentar reprimir a raiva num movimento que se espalhou por toda a Europa.

Embora algumas queixas locais variem, a agitação, também observada na Bélgica, Portugal, Grécia e Alemanha, expôs tensões sobre o impacto na agricultura do esforço da União Europeia para combater as alterações climáticas, bem como de abrir a porta às importações ucranianas baratas para ajudar a população de Kiev no esforço de guerra.

As queixas dos agricultores em toda a Europa incluem o fato de serem sufocados por regras ambientais, impostos, custos crescentes e concorrência desleal do exterior.

A frustração atingiu o auge em Bruxelas no início do dia, onde agricultores atiraram ovos e pedras ao Parlamento Europeu, provocaram incêndios e soltaram fogos de artifício enquanto exigiam que os líderes da UE, que participavam de uma cúpula, fizessem mais para ajudá-los.

“Queremos acabar com estas leis malucas que chegam todos os dias da Comissão Europeia”, disse José Maria Castilla, um agricultor que representa o sindicato espanhol de agricultores Asaja, em Bruxelas.

Com o apelo de alguns sindicatos franceses, a questão agora é se os agricultores irão levantar os seus bloqueios na França – e o que acontecerá aos protestos que se espalharam por toda a Europa.

Os agricultores franceses intensificaram os protestos desde segunda-feira (29), após mais de duas semanas de manifestações. Temendo novas escaladas, o governo prometeu na quinta-feira (1°) oferecer-lhes mais proteção, através de um melhor controle das importações e da concessão de ajuda extra aos agricultores.

“Em toda a Europa surge a mesma questão: como podemos continuar a produzir mais mas melhor? Como podemos continuar a combater as alterações climáticas? Como podemos evitar a concorrência desleal de países estrangeiros?”, disse o primeiro-ministro Gabriel Attal, ao anunciar o novas medidas em Paris.

Em resposta à série de promessas, Arnaud Rousseau, do principal sindicato de agricultores de França, FNSEA, disse que era “hora de voltar para casa” e encerrar os bloqueios.

Os sindicatos alertaram que outros tipos de protestos continuariam – e que voltariam às ruas se o governo não cumprisse as promessas.

Os protestos por toda a Europa ocorrem num momento em que a extrema direita, para quem os agricultores representam um eleitorado crescente, deve obter ganhos nas eleições para o Parlamento Europeu de junho.

Em Bruxelas, a chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o primeiro-ministro belga, Alexander De Croo – que detém a presidência rotativa da UE – deveriam reunir-se com o lobby dos agricultores europeus, COPA-COGECA, após a cúpula dos líderes da UE.

Von der Leyen disse que a Comissão Europeia trabalharia com a Bélgica numa proposta para reduzir os encargos administrativos dos agricultores.

“Para os agricultores que estão lá fora. Nós vemos vocês e ouvimos vocês”, disse a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola.

VEJA TAMBÉM O VÍDEO ABAIXO

Redação: radiocuiabanafm.com.br