Servidores federais de educação param em 360 unidades de ensino

Servidores federais de educação param em 360 unidades de ensino

A paralisação deflagrada pelo Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe) recebeu adesão de servidores federais de 360 instituições de ensino em pelo menos 23 estados do país. Inicialmente, o sindicato esperava a participação de 230 unidades. A greve envolve tanto os técnicos-administrativos quanto os docentes da rede federal, incluindo instituições de ensino vinculadas ao Ministério da Defesa.

As principais demandas dos servidores são uma recomposição salarial que varia de 22,71% a 34,32%, dependendo da categoria, e a reestruturação das carreiras dos técnicos-administrativos e dos docentes. Além disso, eles solicitam a revogação de normas que prejudicam a educação federal, aprovadas nos governos Temer e Bolsonaro, a recomposição do orçamento e o imediato reajuste dos auxílios e bolsas dos estudantes.

A greve foi aprovada em assembleias realizadas desde 18 de março em 29 seções sindicais e terá alcance nacional e duração indeterminada. O comunicado sobre a greve foi protocolado nos Ministérios da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, da Defesa e da Educação, bem como no Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif).

O Ministério da Gestão informou que, em 2023, realizou negociações com as entidades representativas dos servidores federais, resultando em um aumento linear de 9% para todos os servidores, além de um aumento de 43,6% no auxílio-alimentação. Esse foi o primeiro acordo de reajuste firmado entre o governo e os servidores em oito anos. O ministério também iniciou discussões sobre reajustes para 2024.

No caso dos técnicos-administrativos educacionais, os Ministérios da Gestão e da Educação estabeleceram um grupo de trabalho para tratar da reestruturação do plano de cargos técnico-administrativos em educação. O relatório final desse grupo foi entregue à ministra de gestão do Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, como base para a proposta de reestruturação de carreira que será apresentada na mesa de negociação.

-

Redação: radiocuiabanafm.com.br

Clique abaixo e leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *